Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Girl About Town

“I like my money right where I can see it: hanging in my closet.” — Carrie Bradshaw

Seg | 29.10.18

Livro # 27 | A rapariga do casaco azul

250x.jpg

Sinopse

Amesterdão, 1943. Enquanto a Europa é engolida pelo véu nazi, Hanneke percorre diariamente as ruas da cidade. Com apenas 18 anos, ela consegue arranjar os bens raros que as pessoas procuram no mercado negro: chocolate, café, tecidos? Pequenos pedaços de normalidade, preciosos em tempos de conflito. E Hanneke fá-lo apenas por dinheiro! Não há espaço para bondade num mundo devastado por uma guerra que lhe roubou a vida e os sonhos.

Até ao dia em que uma das clientes de Hanneke lhe faz um pedido tão perigoso quanto desafiante: que encontre a pequena Mirjam, uma rapariga judia que a senhora mantinha escondida em casa. A única pista que Hanneke tem é que, no dia em que desapareceu, Mirjam vestia um casaco azul.

Contrariando o seu instinto, Hanneke decide procurar a rapariga. O que ela não sabe é que, ao procurar a pequena Mirjam, vai reencontrar uma parte de si mesma, aquela que Hanneke pensava ter sido completamente destruída com o som das primeiras bombas.

 

Este livro foi mais um daqueles que eu encontrei na biblioteca por acaso e fiquei cheia de vontade de o trazer para casa.

É um livro que nos conta a historia de Hanneke uma jovem holandesa a viver em Amesterdão em plena 2ª Guerra Mundial que se divide entre o emprego numa morgue e um trabalho ilegal onde procura bens no mercado negro que depois vende a outras pessoas.

Um dessas pessoas pede-lhe que encontre uma menina desaparecida, Mirjam.

Mirjam é uma menina judia que fugiu depois dos seus pais terem sido assassinados e depois de estar escondida desapareceu sem deixar rasto.

O livro é um misto de várias emoções, passamos o livro todo a tentar descobrir o que aconteceu com Mirjam, a torcer para que ela esteja bem, ao mesmo tempo é muito triste, por tudo aquilo que "vemos" no livro.

Sem duvida foi uma época que apesar de muitos de nós felizmente não a termos vivido vai estar sempre presente em nós.

É um livro que recomendo a todos. 

2 comentários

Comentar post